PARCELE EM ATÉ 6X SEM JUROS

Como identificar uma bolsa original?

  • PRADA

Autenticidade:

As bolsas da Prada possuem um cartão de autenticidade que contém o material, a cor e o número de série da peça. Bolsas vintage nem sempre terão número de série. No bolso interno deve haver uma pequena etiqueta branca com um número. Modelos recentes também contém uma etiqueta com o país de origem (sendo na maioria das vezes a Itália).

Material:

O Nylon Pocono é uma das marcas da identidade Prada, até mais do que o couro. Os forros são feitos em Nylon, possuindo o nome “PRADA” e cordas bordados em fileiras alternadas.

O couro Saffiano original é a prova d’água e resistente a arranhões por conta da sua camada de revestimento, e traz uma textura rica e duradoura, diferentemente do das réplicas que, apesar de semelhante, não possui a mesma qualidade.

Logotipo:

O logotipo da marca leva o próprio nome “PRADA” e tem alguns pontos que podem ajudar a diferenciar uma peça autêntica de uma réplica.

- O “R” no logo deve ter uma inclinação ou curva distinta na perna direita da letra.

- O espaçamento entre as letras deve ser uniforme, e as cores e formas devem corresponder.

- Abaixo do logo deve haver a palavra “MILANO”. Muitas réplicas acabam vindo erradas, com “MILAN”.

Partes metálicas:

As ferragens podem vir em três cores: prata, dourado ou rosé, nunca misturadas. Todas as partes em metal devem ser gravadas com a palavra “PRADA”.

Zíperes: a Prada utiliza zíperes das marcas LAMPO, Ykk, Riri, Opti e Ipi, que possuem alta qualidade, então não deve ser um problema manuseá-los. Qualquer dificuldade para abrir e fechar pode caracterizar uma réplica.

 

  • GUCCI

Autenticidade:

A Gucci mantém um padrão de qualidade super alto em suas peças, portanto o acabamento como costuras e corte de couro devem ser impecáveis. Todos os produtos são fabricados em couro legítimo. Os pespontos devem estar alinhados e uniformes. No caso de bolsas inteiras em couro, confira se o material é macio e se apresenta a mesma coloração na peça inteira.

Jacquard:

O Jacquard (padronagem de entrelaçamento) é uma das formas mais fáceis de identificar uma peça autêntica. As letras G, que formam o padrão das peças da marca devem estar legíveis e padronizadas, e não borradas e interrompidas. Devem ter o espaçamento devido, com dois G’s invertidos e dois pequenos quadrados interligados pelo tecido. Outro ponto é notar se a parte escurecida do Jacquard é realmente interligada, ou tingida.

Fechos e metais:

As ferragens usadas devem ser pesadas e, normalmente, possuem o logo da marca inscrito. Os zíperes podem ser de plástico ou metal, e devem abrir e fechar de uma maneira fluída. Caso sejam em metal, devem ter gravado o nome Gucci.

Etiqueta interna:

Toda bolsa Gucci possui uma etiqueta interna, com o nome da marca e o número de série. Na parte da frente dela deve estar o logo da Gucci, em alto relevo, com a frase “made in italy” logo abaixo. Sempre devem estar nítidos e visíveis. Na parte de trás da etiqueta estão localizadas duas linhas com números: a primeira refere-se ao modelo da bolsa e a segunda faz referência à fábrica. Para modelos atuais, esses números são constituídos por seis dígitos.

 

  • HERMÈS

Autenticidade:

As bolsas Hermès não possuem cartão de autenticidade ou certificado! Os únicos papéis que podem acompanhá-las são a Nota Fiscal da compra e documentos do órgão CITES, referente às peles exóticas.

As empresas americanas Real Authentication e Entrupy são reconhecidas mundialmente por autenticar artigos de luxo, e podem ser boas opções para quando a peça não acompanhar a Nota Fiscal. Além disso, existem alguns pontos a serem analisados que podem ajudar na hora de provar a autenticidade de uma peça da marca.

Cores e materiais:

A cor da bolsa pode ser uma prova de sua autenticidade. Bolsas Hermès nunca devem ter aspecto de pintadas e devem seguir fielmente a cor e tom usados pela marca. São sempre confeccionadas com materiais de altíssima qualidade, como tipos de couros exóticos que levam até uma década para secar completamente antes de serem utilizados. 

Símbolos da marca:

Existem duas marcas de identificação nas bolsas Hermès: o logotipo localizado no centro da frente do exterior da bolsa, e outro na parte de trás da aba, indicando o ano de fabricação e o material utilizado.

Fonte e código:

Deve-se observar a fonte utilizada, se atentando à regularidade dos números e letras. A letra que indica o ano de fabricação varia de A-Z e apresenta um círculo, quadrado ou nenhuma forma.

Letra sozinha indica que a peça foi feita entre 1945 (A) e 1970 (Z).

Letra dentro de um círculo indica que a peça foi feita entre 1971 (A) e 1996 (Z).

Letra dentro de um quadrado indica que a peça foi feita de 1997 (A) até 2018.

Formas e características:

As peças devem ter o tamanho exato, em centímetros, correspondente ao modelo analisado. Medidas fora do padrão configuram uma réplica. As bolsas Hermès são rígidas e suas alças devem ficar em linha reta, sem qualquer flexão.

Partes metálicas:

O acabamento das ferragens é feito em paládio ou banhado a ouro. Algum modelos raros apresentam ouro escovada, prata ou prata escovada. Esses materiais nunca descascam.

Zíperes: Ao longo do tempo houveram algumas variações. Os mais recentes possuem o nome “HERMÈS“ gravado, em letras firmes, e muitas peças apresentam a letra “H” na base do zíper.